Clínica Endovascular especializada em
Embolização de mioma, embolização de fígado,
aneurisma cerebral e angioplastia da Aorta abdominal.
Os procedimentos Endovasculares são realizados em ambiente hospitalar com equipamantos de última geração.

Infertilidade masculina

Infertilidade é a incapacidade de um casal sexualmente ativo, sem o uso de qualquer método contraceptivo, conceber uma gravidez no período de um ano, de acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde). A infertilidade já afeta aproximadamente 15% dos casais e a estimativa é que só no Brasil cerca de 270 mil casais tenham dificuldades para gerar filhos.

Aproximadamente 25% dos casais não concebem gravidez em um ano de tentativas, sendo que, destes, 15% procuram tratamento médico para infertilidade e menos de 5% permanece sem filhos. Segundo especialistas, em 40% das vezes a causa está no homem, mesma porcentagem na mulher; e em 20%, nos dois. Antigamente, a infertilidade sempre era considerada feminina. Hoje o homem também é investigado e se sabe que ele é responsável por metade dos casos.
A infertilidade masculina, problema que atinge 15% dos homens em todo o mundo, pode ser mais complicada do que a simples falta de espermatozóides. Embora haja causas claras e clássicas, como infecções, mais de um terço não sabe o motivo da doença.

Pouco se fala sobre a dor vivenciada pelo homem com dificuldades para ter um filho, já que o foco deste problema, na maioria das vezes, são as mulheres. Dr. Henrique Elkis explica que a vivência da infertilidade pelo homem pode se tornar um processo extremamente frustrante, uma vez que ainda vivemos em uma cultura machista, onde “ser homem” significa ser um “bom reprodutor”. 

O que causa a infertilidade? Quais os tratamentos? Essas e outras dúvidas você poderá esclarecer abaixo.

Porque aumentaram os casos de infertilidade entre os homens?

Mais do que problemas genéticos, especialistas são unânimes em apontar que os principais responsáveis pelo aumento da infertilidade dos casais são os fatores ambientais – como a exposição à poluição e aos agrotóxicos – e o estilo de vida nada saudável das grandes cidades. E os homens acabam sendo mais afetados do que as mulheres.

Como um homem é considerado infértil?

Para o homem ser considerado infértil, é necessária a análise do sêmem ou espermograma. Diversos fatores devem ser levados em conta: o volume (geralmente maior que 2ml), a concentração de espermatozóides (maior que 20 milhões/ml), o pH (entre 7 e 8), o número total de espermatozóides ejaculados (maior que 40 milhões/ml), a mobilidade (maior que 50%) e ainda a morfologia (maior que 14 % de normais).

Quais exames detectam a infertilidade masculina?

infertilidade-masculina

 

Para o diagnóstico de infertilidade masculina, o médico deve levantar o histórico completo do paciente, realizar exame físico e solicitar um espermograma (análise seminal). Em casos muitos específicos, o especialista pode precisar ainda de avaliação endócrina e hormonal, ultrassom escrotal, screening genético e biópsia testicular. 

 

 

O que causa a infertilidade masculina?

São vários os fatores que podem causar a infertilidade masculina (abaixo descrevemos em detalhes todos eles).

– Varicocele: causada pela dilatação das veias que drenam o sangue dos testículos (varizes das veias testiculares). Atinge cerca de 45% dos homens que nunca tiveram filho e até 85% dos homens com infertilidade secundária – aqueles que não conseguem ter um segundo filho. Pode ser detectada por um exame urológico simples e facilmente tratado.

Infecções testiculares, epididimárias e prostáticas: mesmo comprometendo a fertilidade precocemente, só causam sintomas num estágio avançado – por isso, são raramente diagnosticadas. Com o diagnóstico correto, a fertilidade às vezes pode ser restaurada facilmente, com o uso de antibióticos.

Vasectomia: procedimento escolhido por muitos homens que decidem não ter filhos, também é uma causa de infertilidade, mas reversível no caso de mudança de ideia.

As azoospermias: ausência completa de espermatozóides no sêmen ejaculado – são outra causa responsável por grande parte da infertilidade masculina. Nesse caso, os espermatozóides podem não estar sendo produzidos (configurando o grupo de doenças chamadas de azoospermias não obstrutivas) ou, apesar de produzidos, não consigam chegar até a uretra e serem ejaculados (azoospermia obstrutiva, que se configura quando os túbulos que ligam os testículos à uretra não estão permeáveis).

Uso de medicamentos: existe uma extensa a lista de fármacos que podem prejudicar a função testicular.

Causas genéticas: entre elas, destacam-se as alterações cariotípicas, relacionadas ao número de cromossomos, as microdeleções do cromossomo Y e a fibrose cística.

Causas ambientais: uma pesquisa da Faculdade de Medicina do ABC feita em São Paulo, com 900 homens mostra que a poluição do ar pode causar infertilidade. Uma reação imunológica onde o organismo identifica o espermatozóide como célula agressora e produz anticorpos contra o espermatozóide, que tem uma incapacidade de mobilidade progressiva e uma incapacidade de fertilização do óvulo.

Álcool e drogas causam infertilidade: estudos indicam que o excesso de álcool e drogas altera os hormônios da hipófise (glândula localizada no cérebro e que produz diversos hormônios, entre eles, o FSH e o LH, responsáveis por estimular os testículos a produzir os espermatozóides e a testosterona). Não se sabe ao certo qual o limite de álcool, pois há uma grande variação individual e também o tipo de bebida. Quanto às drogas, estudos indicam que maconha, cocaína e heroína são as mais nocivas para a fertilidade.

Alimentação: muita gordura saturada, carboidratos e carência de frutas e verduras resultam no metabolismo inflamatório, responsável pelo declínio da fertilidade.

Notebooks: uma pesquisa da Universidade Estadual de Nova York concluiu que o uso de notebooks no colo pode levar à infertilidade masculina, por elevar a temperatura do testículo, impossibilitando a produção adequada dessas células.

Um homem fértil pode passar a ser infértil?

Sim. A infertilidade masculina pode ser classificada como primária, quando o homem nunca foi fértil, ou secundária, quando o homem era previamente fértil, mas acabou se tornando infértil. As principais causas de infertilidade secundária são mais uma vez a varicocele, pacientes submetidos aos tratamentos de quimioterapia e radioterapia, infecções da próstata, pós-vasectomia, assim como fatores externos como drogas e medicamentos. Os traumas testiculares graves, doenças agudas (torções de testículos, orquiepididimites – infecções dos testículos e epidídimo) e tuberculose também podem ser responsáveis pela infertilidade. Além disso, o próprio envelhecimento provoca alterações que geram redução da produção de espermatozóides e de esperma, da mesma forma que ocorre com a mulher, na época conhecida como menopausa.

Como se prevenir contra a infertilidade?

A prevenção da infertilidade masculina deve começar na adolescência, com a consulta a um urologista, e cultivar hábitos saudáveis. 

Em qual idade o homem começa a ter problemas de infertilidade?

Quando o homem tem menos de 24 anos, a chance de ele não conseguir engravidar sua parceira depois de um ano de tentativas é de apenas 8%. Depois dos 35 anos, essa probabilidade ultrapassa os 15%. Já após os 40 anos, a qualidade do esperma diminui drasticamente.

Quem tem mais problemas de infertilidade, o homem ou a mulher?

A infertilidade masculina atinge 40%, mesma porcentagem da feminina. Já em 20% dos casos o problema é de ambos.

Quais exames detectam a infertilidade masculina?

Para o diagnóstico de infertilidade masculina, o médico deve levantar o histórico completo do paciente, realizar exame físico e solicitar um espermograma (análise seminal). Em casos muitos específicos, o especialista pode precisar ainda de avaliação endócrina e hormonal, ultrassom escrotal, screening genético e biópsia testicular.

Quais são os tratamentos para tratar a infertilidade masculina?

O tipo de tratamento para tratar a infertilidade masculina depende da causa que originou a infertilidade. Alguns dos tratamentos são:  

Embolização de varicocele: é um revolucionário método para tratamento da varicocele. Trata-se de um procedimento minimamente invasivo, ambulatorial e que exige apenas anestesia local, proporcionando ao paciente a mesma eficiência da cirurgia, mas com um tempo de recuperação muito menor. A embolização é realizada por meio de uma pequena incisão na virilha, por onde um cateter é introduzido na veia femoral que faz um mapeamento venoso e detecta no testículo quais são as veias afetadas. Através deste cateter são injetadas substâncias embolizantes que ocluem as veias alteradas impedindo o acúmulo de sangue. Finalizado o procedimento, o cateter é retirado e o paciente fica em observação por algumas horas, recebe alta no mesmo dia e pode voltar à vida normal 24 horas depois, sendo necessário apenas evitar esforço físico. Em pouco tempo, o paciente volta a produzir espermatozóides.

Beneficiamento de sêmen: técnica que seleciona os melhores espermatozóides, que serão usados na fecundação. 

Inseminação artificial: “instalação” do sêmen, selecionado pelo beneficiamento, dentro do útero da mulher, durante o seu período fértil. Para tanto, a mulher não pode ter ligadura de trompas nem problemas com a produção de óvulos, pois eles precisarão chegar até o útero para se encontrar com os espermatozóides

Fertilização in vitro: também conhecida como “bebê de proveta”. O médico coloca o sêmen em contato com o óvulo dentro de um tubo de vidro, no laboratório, sendo aí realizada a fecundação. Após já ter sido fecundado, o óvulo é recolocado dentro do útero da mulher. 

ICSI: técnica mais cara e complicada, realizada nos casos graves, de homens com esperma excessivamente pobre em espermatozóides. O médico insere o espermatozóide dentro do óvulo, utilizando um microscópio. Estes espermatozóides podem ser obtidos por aspiração do local no testículo no qual os espermas ficam armazenados ou por uma biópsia do testículo. Após a fecundação, o óvulo é recolocado dentro do útero, como na fertilização in vitro.

Um homem com tumores nos testículos é infértil?

Não necessariamente.  Homens que tiveram um dos testículos removidos por tumor podem ser pais sem auxílio de tratamento. Entretanto, a remoção de um dos testículos acometidos por um tumor diminui em 50% a quantidade das células germinativas, que originam os espermatozóides. Desta forma, estes homens têm maior dificuldade de engravidarem suas parceiras naturalmente.

A fertilidade masculina diminui com o passar dos anos?

Não. De acordo com uma pesquisa do Instituto Verdum, divulgada em 2010, o sêmen masculino continua capaz de produzir filhos mesmo em idades mais avançadas. Recomendação médica:
Graças aos grandes avanços da medicina reprodutiva nos últimos anos, mesmo os casos mais graves de infertilidade masculina podem ser resolvidos. No entanto, como a fertilidade do casal diminui com a idade é muito importante não perder tempo e para assegurar a melhor possibilidade de sucesso, que é a obtenção da tão desejada gravidez, o diagnóstico correto é essencial. Por essa razão, é essencial a busca por um médico especialista no tratamento dos problemas de infertilidade.

Se você ainda está com dúvidas envie um e-mail para o Dr. Elkis.

Sua mensagem

Nome

E-mail

Telefone fixo

Celular

Motivo do seu contato

 Aneurisma Câncer Hipertensão Arterial Infertilidade Masculina Mioma Uterino Quimioembolização Hepática Varizes das Pernas Outros
captcha